Corredor

Solidão. Assusta.
Corta, rói, machuca.
Carregamos o fardo do temor.
Tememos.
Tememos tudo o tempo inteiro.
Terminamos, acabamos, como o fogo de um isqueiro.
Como a rapidez de um pensamento.
Num estalar de dedos.
Queremos.
Queremos tudo, todos, amar, amor.
Amor.
Amáveis.
Amores descartáveis.
Morremos.
Nada tivemos.

Desabafo

Grito agora para contar o ontem

O ruído, o arranhão, a ferida

Que se condensaram e viraram pedra

Gosto de você

Gosto de mim

Grito pela despedida

Grito pelo encontro

Grito.

Entenda-me.

Não lhe peço para ficar,

lhe peço para sair.

Feche a porta.

Grite.

Finja esboçar,

ao menos,

a melhor das reações:

O grito.

Insustentável

Reclame, bote pra fora, verbalize.
Recicle suas idéias, seus valores, seus momentos.
Movimento.
Voa o tempo, voa o vento.
Sinto que tudo que sentimos nunca foi por
outro alguém sentido.
Sentido?
Procuro por um.
Ou dois, talvez.
Será que vende no supermercado?
Deve estar na prateleira dos perecíveis, ao lado
do juízo, e logo atrás do amor.
Desconexão.
Medo de entregar.
Entregar a alma.
Alma que levamos a vida toda.
A vida toda para construir.
Um minuto para se despedaçar.
Recolha-se do chão.
Guarde-se num cofre.
Engula a chave.