Mundo umbigocêntrico!

Consideração subst. f. consideração (considerações)

 

1. reflexão

a consideração de um problema

2. respeito

ter consideração pelas pessoas

3. tomar em consideração 
pensar, refletir

 

Consideração é uma palavra com um significado muito amplo. Como vocês podem ver, ela pode desencadear um ato de reflexão ou simplesmente explicitar o respeito e carinho que temos por alguém que fez ou faz parte de nossa vida. Infelizmente, nem todos sabem da existência desse sentimento (ou conduta). É muito triste pensar que a maioria dos seres viventes deste planeta simplesmente não aprenderam que consideração é uma troca. Afinal, se você não tem consideração por mim, por que deveria ter por você? Quero mais é que você se dane.

Funciona como um código para as pessoas de bom coração. Sabemos do caráter de alguém se esse alguém demonstra se importar com o que acontece ao redor. É como em Brasília: nossos representantes não possuem a menor consideração por quem os elegeu, olham apenas para o próprio umbigo, e é por isso que o Brasil está do jeito que está. Claro que, agora, estou abordando um tema complexo e de enorme significação extra-sentimental. Mas em síntese, o fato é que todas as maçãs podres (maçãs = pessoas = indivíduos) desconhecem totalmente o que é ter consideração. E acredito que está mais do que na hora de aniquilarmos também a consideração que temos por elas. Sabe como é, questão de reciprocidade.

Página em branco

Aqui estou, olhando essa página em branco.
Preciso escrever, só não sei como.
Preciso escrever que sinto raiva.
Que sinto dor.
Que perdi meu tempo.

Que eu queria muito.
Sempre quis muito.
E me restou o nada.

Agora, esse nada é o que tenho.
Melhor assim.
Antes o nada, do que a dor.
Antes o nada, do que a raiva.

Antes não saber amar.
Confortável, pra você.

Nosso tão questionável egocentrismo

Ontem, estava eu na fila da farmácia protagonizando mais um interessantíssimo episódio da minha nada mole vida, quando uma senhora, de uns 70 anos, deixou cair sua carteira no chão. Pacientemente, peguei o objeto e o devolvi para sua dona. A mulher, mera desconhecida que nunca havia visto mais gorda, ficou totalmente impressionada com a situação, e me agradeceu um milhão de vezes por ter simplesmente devolvido o que já era dela. Ok, sei que é clichê escrever sobre o egoísmo humano, mas fiquei tão tocada (no bom sentido, seus sujos) com a situação que resolvi me manifestar. É incrível como perdemos nosso senso de coletividade, mas seria extremista demais culpar alguém ou algo por isso. Nos dias em que vivemos, muitas vezes ao tentar um ato altruísta e de desprendimento, somos vítimas de inúmeros golpes. Além disso, a fragmentação de nossa época não nos permite olhar para outro alguém que não seja do nosso convívio, simplesmente não temos tempo. Não temos tempo de ajudar o outro, pois não conseguimos se quer nos ajudar. Apesar de tudo isso, exercitar a educação que nos foi dada é sempre gratificante. Receber um sorriso é sempre agradável.

Top FIVE da irritação semanal

Seguindo a linha do meu querido amigo e publicitário Bruno Antunes, desta vez vou postar um Top Five das coisas que MAIS me irritaram na última semana (deixando de lado os problemas amorosos, se não, escreveria um pergaminho).

1º Trânsito de São Paulo

– Acredito que isto já irrite muita gente. Sem mais.

2º A embalagem do Yakult

– Sabe quando você está com aqueeeeeeela vontade de dar um gole num Yakult bem gelado? E aí, quando você tenta abrir, aquela tampinha INFELIZ de papel alumínio começa à se desfazer, você tenta usar o dente, come as bordas, e aí fica ainda mais difícil de arrancar, e e e e… FIM.

3º Os processos de estágio

– Qual é o problema das empresas? Um processo de ESTÁGIO (veja bem, E-S-T-Á-G-I-O, pra ser E-S-T-A-G-I-Á-R-I-O) durar 5 meses não é digno. Você vai ser o presidente da companhia por acaso? Não, e muito pelo contrário.

4º Mortal Kombat para Wii

– Comprei essa coisa achando que ia poder movimentar o controle pra lá e pra cá, dando porrada em geral, conforme dizia na caixa do jogo. Mas… não funciona. Simplesmente NOT.

5º A popularização do Twitter

– O Twitter já era. Virou Orkut. Até a Oprah tem Twitter.