Partida

O que se sabe é muito pouco. Sei que de mim, não cuido mais. Cuidar de mim, pra outro vir e despedaçar tudo que construí? Não. Vou cuidar dos pássaros, das árvores, das folhas. Tudo isso vai ficar aí. Eu não. Eu vou embora, vou andar, ver o Sol meu companheiro. Ver o que ele me oferece. Calor, serenidade. Na verdade, gosto é do frio. Do frio que congela e mortifica. Estou acostumada com isso. Pegue em minhas mãos. Pegue e você vai ver, elas não estão acostumadas ao contato verdadeiro. Estão acostumadas com a hipocrisia, com coisas medíocres. Essas besteiras desmedidas, palavras comedidas… tudo rima e combina com partida. Não me espere, eu já saí. E bati a porta.

Anúncios

3 comentários sobre “Partida

  1. Quanto talento
    Pra discutir em vão

    Esquece esse jogo
    Não há vencedor
    O mesmo roteiro
    De sempre cansou

    sabia poeta, sandy leah! haha

    Realmente, vc escreve bem, mas escreve ainda melhor qdo ta em um estado de espirito elevado, vulgo raiva haha

  2. Vc se supera, querida.
    Mas, com todo o respeito, vou discordar da nossa amiga aí de cima. É plenamente possível sermos mais felizes e ainda assim tratarmos das coisas com profundidade. Isso porque a palavra não é uma escrava da tristeza, mas um dom livre, que não se dobra diante de qq coisa. Viva mais e descubra por si mesma.
    E se precisar de algo, vc sabe onde nos achar.

    Bjs

Os comentários estão desativados.