Cria

Sou eu
Só eu
Somente eu
Me olhando

Examino-me com cuidado
Vejo que nada disso
Vai vingar
Vai suportar

Minhas carnes
Meus ossos
Nem me preocupo
Vou pra lá

Tem uma coisa engasgada
Logo aqui onde não deveria ter
Minha garganta dói
Porque quer despejar algo

Já lhe digo:
Se cria és, de suas criações
Viverás criando
Viverás de falsos bordões

O nada vem do nada
Se você não anda
Continua sendo zero
Zero, estático

Essa vida é uma babaquice
Quando eu morrer
Vou perguntar pra Deus
É agora que começo a viver?

Anúncios

Um comentário sobre “Cria

  1. É mais ou menos isso querida. A vida real está do outro lado.
    Mas não se esqueça de que o treino começa aqui, e não será a passagem de um meio a outro que nos dará auréolas e asas que jamais cultivamos.

    Saudades, aparece.
    bjs.

Os comentários estão desativados.