Que assim seja

Que os amores sejam correspondidos, que os trabalhos sejam bem remunerados e que as chuvas sejam só de verão.
Que nossos pais nunca morram, que o leite esteja sempre quentinho e que o tempo passe devagar.
Que as pessoas sejam sinceras, que as palavras cumpram seu significado e que eu ganhe na loteria.
Que alguém te abrace no fim do dia, que o céu esteja azul e que o choro seja de alegria.

Que a vida seja mais fácil. É o que desejo para amanhã.

Nem eu sei o título

Silêncio. Minha alma se tranquiliza, mas insiste em me cutucar, em dizer algo. Eu não sei o que ela quer dizer. Na verdade todas essas babaquices que eu escrevo já me cansaram. Metáforas, coisas do coração que ninguém entende. Afinal, estou falando do meu próprio órgão bombeador de sangue. E se nem eu conheço ele, quem vai conhecer? E quem vai se interessar por tudo isso? Na verdade, acho que tô com encosto. Ando numa perturbação absurda. 2:37 da manhã e aqui estou eu, olhando pra parede verde do meu quarto verde. Quero um lugar pra pisar na grama e matar bichinhos estranhos. Quero um livro pra ler e uma rede pra dormir. Quero ligar a TV e não ter que ver o caso do goleiro que matou sei lá quem. Se eu tivesse conseguido dormir, esse texto não existiria. Se eu estivesse bem psicologicamente, muito menos. Então é isso aí, só quem é perturbado escreve coisas sem sentido algum na sexta de madrugada. E você tá lendo isso, seja lá quem for. Eu acho que as pessoas deveriam ter dois indicadores de QI… um para a inteligência normal, cotidiana, e outro para a inteligência emocional. No meu caso, a inteligência emocional é 0. Talvez – 5. O que eu quero eu faço, o que eu penso eu falo e se não gosto eu grito. E agir assim é um belo de um tiro no pé. Mas minha angústia é muito grande pra não ser dessa forma. Não faço por mal, mas sei que estou me suicidando aos poucos. Preciso de ajuda, antes que todos se afastem. O que eu peço é: tenham um pouco de paciência comigo. Estou implorando.