Naquele tempo…

Tô meio assim, sei lá. Sem saber o que pensar.
Quero pensar em você, mas você disse que não temos mais nada.
Desde então, as coisas perderam um pouco a graça.
Desligo o celular antes de dormir, porque sei que você não vai ligar.
Pulo a sua música preferida do CD.
Dou bom dia pro cara que vende chiclete no farol, porque pra você
não posso mais dar.
Desvio dos restaurantes que frequentávamos.
Ignoro todos os sms’s que recebo. Demoro muito tempo para lê-los, na esperança
de que algum possa ser seu, mas nunca é.
Perco meu tempo escrevendo em meu blog. Todos os textos são pra você, mas você nunca gostou muito de ler mesmo. Me construo, me desconstruo. Mas nada muda.
Dizem por aí que passa. Que faz bem. Que vou crescer.
Mas sei lá… parece que parei no tempo.
Naquele tempo em que eu tinha você comigo.

Anúncios

Quer comprar? Tô vendendo.

Talvez seja mais fácil viver sozinho.
Talvez seja mais fácil viver sem saber que existe uma outra pessoa do lado de lá, com expectativas e sonhos para construir.
Talvez seja mais fácil ser, simplesmente, egoísta.
Talvez seja mais fácil não ter que explicar, não ter que ligar.
Talvez seja mais fácil não ter que tentar e enfrentar a frustração de errar.
Talvez seja mais fácil evitar lágrimas e corações partidos.
Talvez seja mais fácil esquecer do que compreender.
Talvez seja mais fácil desistir do amor.

Talvez se as pessoas soubessem como esse sentimento é importante… ou talvez se eu deixasse de dar tanta importância a ele… nada disso teria acontecido.

Eu só queria te dar o meu amor. Mas acho que meu amor foi muito pra você.

Acho que meu amor é muito pra todo mundo. Vou começar a vendê-lo para quem não tem, já que quando o ofereço livremente, todos fogem.

Vender é melhor. É.

One more drink and I’ll move on. I promise.

Considerações

Não sei mais o que escrever, não sei mais como escrever.
O que eu sei é que ainda sinto necessidade de colocar muita coisa pra fora.
Eu errei… e vou continuar errando. Mas não errei sozinha.
A única forma de aprender é, de fato, errar.
Ninguém é obrigado a tolerar os erros de ninguém.
Mas acredito que quando existe algo maior envolvendo
os problemas, eles se suavizam e passam a ser muito menores
do que realmente são.
É hipocrisia afirmar que vou mudar. Mudanças levam muito tempo para
se tornarem concretas. E esse tempo todo exige paciência.
Amar é ter paciência. Amar é estar ao lado. Amar é compreender.
Talvez o amor (não de minha parte) não tenha sido o suficiente.
Talvez eu realmente seja muito chata e encha muito o saco alheio.
Mas paciência. O que me resta agora é recolher os cacos.

Vou guardar

A cada momento morro de saudade de você. 13:30 e estou morrendo de saudade. 13:31 e estou desmaiando de saudade. Faz só um dia que não nos falamos. Mas é como se fossem anos. Ouço sua voz repetidas vezes dentro da minha cabeça… e me mortifica saber que é só lá dentro mesmo que ela está. O que eu faço agora com cada traço seu que vive em mim? O que eu faço com a lembrança de você dormindo na minha cama? O que eu faço com a minha vida sem a sua vida? Não tenho essas respostas. Por enquanto, só tenho a dor. Dor essa que o tempo vai curar. Mas o tempo não cura aquelas coisas, aquelas pequenas coisas doloridas que se chamam lembranças. Elas estão por toda parte. É claro que não tenho lembranças só suas, mas as suas são as melhores. Na semana passada, quando saímos para assistir ao show da Norah Jones, eu pensava em Deus, não sei por qual motivo. A apresentação começou, e naquele dia de sol você me abraçava, havia boa música e paz. Em certo momento, pensei: isso é Deus. Esse momento é sagrado, e não importa o que aconteça, vou guardá-lo. Está tudo aqui, dentro de mim, guardadinho junto com o amor que sinto por você. Você decidiu que devo guardá-lo, mas ele é tão grande que não sei se cabe todo em mim. Está transbordando em forma de lágrima.