Planos

Nunca fui da turma dos organizados, a palavra planejamento me dá arrepios. Penso que planejar é contribuir para um mundo mais artificial. Se você planejou algo, muito provavelmente também já calculou riscos e vantagens, já sabe ou tem alguma noção do que vai acontecer no final. Quem planeja tem um resultado esperado, o mínimo de retorno garantido. Eu não planejo nada. Acredito que a emoção e o frio na barriga do inesperado são mais gratificantes do que meia dúzia de números estáveis. Se deu certo, muito bem. Se não deu, vou chorar, me debater, espernear… mas logo passa, e o acaso me propõe outra solução rápida e eficaz. Tudo isso é muito legal enquanto ainda somos jovens, mas e a velhice? Esta sim, exige planejamento. Exige planos de previdência privada e dinheiro guardado na poupança para eventuais dentaduras e cirurgias bizarras de órgãos com nomes complicados e extensos. O tempo passa, estou ficando velha. Estou lutando comigo mesma. Estou aprendendo o que é planejar, estou aprendendo a ser artificial, estou aprendendo a ser medíocre… como todos os outros. Lamentável.

Anúncios

2 comentários sobre “Planos

  1. Já fui da turma dos organizados,planejava,na verdade tinha vários planos,mas acreditava que o plano A daria certo. Posso dizer que me perdi no alfabeto.
    Hoje, tento o famoso “um dia de cada vez” e dependendo do dia meio dia de cada vez.

    Um abraço!

Os comentários estão desativados.