Para passar o tempo

Aguentar é obrigatório
Beber tolerância em um copo de café também
Enquanto você não vence
Tome um banho
Enxugue as lágrimas e os dedos do pé
Jogue cartas, arquitete uma estratégia
Não vá pensar muito
Beba cerveja sem se esquecer do copo de café
Escreva algumas besteiras
Inicie uma conversa ou grite com alguém
Apague o amor sem utilizar a borracha
Corte um dedo, ou dois
Observe o sangue
Contemple a morte em vida
Continue aguentando
Veja as pessoas e as luzes lá fora
Contente-se com seu quarto escuro
Ao sair, não feche a porta
Afinal, você vai voltar

Não passou

Segurei sua mão. Você prestava atenção no filme, e eu, enquanto sentia seus dedos, pensava: Agora estamos aqui. O tempo parece paralisado, e te tenho comigo da forma mais segura e bonita possível. Muitas coisas passaram pela minha cabeça. Planos, desejos, medos e lembranças. Me sinto atormentada ao saber que depois de algumas horas (momento em que o filme terminaria), aquela segurança toda ia se acabar. Te deixaria em casa e mais uma vez você iria viver seu mundo e eu iria viver o meu, sem você. No dia seguinte, acordaríamos cedo para trabalhar e aquilo tudo seria apenas mais uma memória em meio à e-mails solicitando planilhas, telefonemas cobrando relatórios e papéis por cima da mesa. E é assim que tem que ser. Efêmero, momentâneo e casual. Assim como você quer.