gaveta

A vida poderia, pelo menos, fazer o favor de me informar se existem pessoas como eu lá fora. Já me conformaria em saber que sou exemplar único. Pelo menos, pararia de procurar. Explico: fui amaldiçoada quando criança e só consigo confiar em palavras. Sou humana, mas não sou careta. Mostro minhas dores e não guardo nada na gaveta. As pessoas, elas torcem pela infelicidade alheia. Um dia, a torcida funciona. Sou quem posso ser e pago um preço altíssimo por isso. Fiz prestações e ainda tô quitando minha dívida. Que Deus me abençoe. Ainda serei muito feliz… o mundo é justo sim.

Anúncios

27

Não entendo a crueldade do destino. Não sei qual é a do universo comigo. Também não entendo minha ingenuidade estúpida, que segue atropelando instintos de auto-proteção (com hífen ou sem hífen, I don’t give a damn). Mas queria mesmo poder ver qual é a essência das coisas que me acontecem. Eu já sofri tanto, e mostrei todo o meu sofrimento, meus sentimentos, meu coração… mostrei tudo. Me mostro. Me entrego. Me ferro. Digo que nunca mais vou repetir o erro. Quando me dou conta estou sozinha mais uma vez. Sozinha com o que aprendi a sentir, sozinha com minha mania de doar tudo que tenho ao outro. Dou tudo o que tenho, não deixo nada pra mim. Não deixo nada pra amanhã, quando já é demasiadamente tarde para se arrepender. Depois de um turbilhão de sensações e promessas e abraços e beijos… isso. Minha alma não consegue acompanhar. Mundo, se você tem algum plano pra mim… me mostra qual é? Não tô mais vendo sentido algum em ser gente. Não tô mais vendo sentido em tomar uma cerveja, acender um cigarro e continuar andando. Mas acho que é isso mesmo. Vida feita de instantes… aproveite os bons momentos, já que os ruins chegam na velocidade da luz. Acho superficial. Mas quem se importa com o que eu acho? Lembranças tenho muitas. Quero ter com quem contar. Mas eu nunca vou encontrar. Eu nunca vou parar de reclamar. E ninguém vai me entender. Falta muito pros 27? Que seja.

Entra quem quer

A vontade que tenho é de entrar dentro do meu armário. O sonho que tenho é de encontrar lá dentro um outro mundo: o meu mundo perfeito.
Nele, eu teria filme, pizza e você todas as noites. Teria cerveja aos sábados e vinho nas sextas. No domingo nós dormiríamos e faríamos amor.
As festas não teriam fim e todo momento teria uma trilha sonora. Se um copo se quebra, rock. Se ganho um abraço, folk.
Toda loucura seria arte, e toda arte viraria brisa. O vento na cara seria eterno.
O dinheiro, nós arrancaríamos das árvores. O amor, eu arrancaria do peito.
Taí… o mundo perfeito.

Minha onda

Seus olhos
Quando cruzam os meus
Queimam a alma
Derretem o tempo

O mundo fica paralisado
Para assistir
Isso que não sabemos o nome
Isso que queremos querer

Gosto de sentir sua pele
Encostando na minha
De te ver andando sem roupa
Gosto de gostar de você

Mas o perigo existe
O risco é presente
Tenho medo de continuar
De te descobrir ausente